Início > Distribuições, fedora, Iniciantes, Linux, migração, Software Livre > Migrando para o Pinguim: Obtendo o Fedora

Migrando para o Pinguim: Obtendo o Fedora


Primeiro post da série Segundo post Terceiro post Quarto post Quinto Post Sexto Post Sétimo Post

——————————————–

Bom, finalmente estamos chegando perto da tão esperada instalação do Fedora.  Se você acompanhou os artigos anteriores e tomou a decisão de usar o Linux em dualboot com o seu PC, deve ter também tomado a decisão de particionar seu HD conforme foi tratato nos artigos anteriores.

Pois bem, como eu havia mencionado lá no início, os motivos para eu  escolher o Fedora para essa série são, entre outros, esses:

  1. É uma distribuição Linux leve, rápida e voltada para iniciantes, mas mesmo o usuários avançados devem gostar dela.  Sendo um usuário doméstico ou desenvolvedor, você provavelmente irá se simpatizar com o Fedora.
  2. É gratuito, como a maioria das distribuições Linux. Você pode baixá-lo da internet e instalar no seu PC. Alternativamente, você pode comprar o DVD de instalação, caso sua conexão seja lenta. Nesse caso, o preço cobrado é  devido a custos com transporte, correios, etc e costuma ser bem barato (algo em torno de R$10,00)
  3. É uma distro atual. Quer dizer, o Fedora se esforça para manter em seus repositórios o que há de mais atual em software e atualizações de segurança para o seu PC. Aliás, esse é um dos principais motivos de eu usar essa distro.
  4. Uma nova versão do sistema é lançada a cada 6 meses. No momento em que escrevo esse artigo, falta um dia para o lançamento do  Fedora 12 (Codinome: Constantine). Eu tratarei da instalação dessa versão, mas o modo de instalação é praticamente idêntico de versão para versão, de modo que não faz muita diferença a versão que use como exemplo.
  5. Possui um amplo suporte a hardware, o que quer dizer muito provavelmente, o Fedora irá detectar automaticamente todos os componentes do seu PC, como sua placa de som, de vídeo, webcam, etc. Há também a possibilidade mais tarde de usar um driver do fabricante no caso de placas de video, que é o mais comum.
  6. O Projeto Fedora é comprometido com o desenvolvimento de software de código aberto e até mesmo formatos multimídia abertos. Esse é um compromisso da comunidade Fedora.
  7. Possui uma comunidade de usuários dispostos a te ajudar e fazer da sua experiência com o sistema, algo realmente agradável. Se você nunca participou de uma comunidade relacionada ao software livre, irá se surpreender quando conhecê-la mais a fundo. Você terá a chance de ajudar e ser ajudado. Assim é o espírito por trás dessas comunidades.
  8. Porque eu uso Fedora 😉

Então chegou a hora de colocarmos a mão na massa e começarmos de fato o processo para colocarmos o Fedora no nosso HD.  Para isso, decidi abordar a instalação via DVD, visto que você terá um ambiente mais completo assim que terminar a instalação do mesmo (navegador, leitor de e-mails, mensageiro instantâneo,  a suíte de aplicativos OpenOffice, dois ambientes Desktop, etc).

Existem diversas maneiras de se obter o Fedora. Você pode tanto obter uma cópia do DVD de instalação com um amigo que já tenha, comprar numa banca, caso alguma revista tenha disponibilizado, ou ainda, baixá-lo da internet pelo site do Projeto Fedora.  Todas essas são formas perfeitamente legais de obtenção, visto que qualquer distribuição Linux, incluindo o Fedora,  pode ser copiada e redistribuída livremente.

Baixando da Internet:

Se a sua conexão com a internet é suficientemente rápida, a maneira mais certa de obter o Fedora é baixando gratuitamente pela internet no próprio site do Projeto. Vá em http://fedoraproject.org e no link de navegação Obter o Fedora você será apresentado  a diversas formas de obtê-lo. Eu aconselho fortemente que você faça o download via Bit Torrent, visto que o download é de cerca de 3,5GB em software e você vai ter de ter paciência para baixar tudo isso. Na minha internet de 500Kbps eu costumo demorar quase 3 dias para terminar, mas costumo dar umas paradas. O tempo total de download é de cerca de 25 horas com essa velocidade.   Você pode ver todas as opções de download em uma única página neste link aqui:

Opte então pelo DVD de instalação e escolha qual baixar de acordo com a arquitetura do seu processador. Por exemplo, se você tem um processador de 64 bits, poderá optar pela opção x86_64. Usuários com processadores de 32 bits vão pela opção i386. Essa última,  deve servir para a maioria dos casos. Se você estiver em dúvida sobre qual baixar, baixe a i386. Depois que o download terminar, você deverá ter um arquivo .iso de cerca de 3,5GB que é a imagem do DVD de instalação e alguns outros arquivos de poucos bytes que serviriam para verificar a integridade do seu download, mas não irei entrar em detalhes aqui para não deixar as coisas complicadas. Muito provavelmente, o arquivo baixado não deve ter se corrompido durante o download. Esse teste serviria justamente para isso.  De posse do arquivo .iso, insira um DVD virgem no drive do seu gravador e utilize o Nero, Roxio ou qualquer outro programa que permita fazer a gravação de uma imagem de DVD. Escolha a opção Gravar Imagem de DVD ou coisa parecida na interface do seu programa de gravação, escolha o arquivo .iso baixado do Fedora  e coloque para gravar.

IMPORTANTE: Não faça a gravação como um DVD de dados e sim escolha a opção de gravar a imagem de DVD. Ao final da instalação, você terá um DVD bootável com vários arquivos dentro e não o arquivo .iso

Pronto, depois de feito isso você terá a versão mais atual do Fedora Linux  em mãos . Agora é só esperar para começarmos a instalação, assunto que irei tratar no próximo artigo (finalmente!).

Obtendo o Fedora de outras maneiras:

Se você não tem uma conexão rápida, um amigo que tenha o DVD de instalação e  nem muita paciência para ficar baixando-o da internet, talvez possa optar comprar o DVD. Não é caro, algo em torno de R$ 10,00 ou menos e, caso tenha sorte, você encontrará ele numa banca de jornal para vender. É o mesmo DVD que você baixa da internet, visto que o que essas pessoas fazem é apenas baixar, gravar em uma mídia de DVD, com uma capa bonitinha e vendê-lo,  já que isso é perfeitamente legal.  Neste wiki do Projeto Fedora, você encontrará link para várias lojas virtuais aqui no Brasil que vendem a última versão do sistema. Aliás,  sempre solicite a última versão para se manter atualizado.

Alternativamente (e pouco recomendado), você pode também comprar o DVD de instalação pelo Mercado Livre.

ATENÇÃO: Tome cuidado ao fazer compras no Mercado Livre. Verifique se o vendedor tem uma boa reputação e se ele cumpre com o  acordo. Não me responsabilizo pelo não cumprimento do acordo e apenas ofereço uma maneira  a mais de se obter o DVD de instalação. Eu mesmo já recorri ao mercado livre e o vendedor o cumpriu perfeitamente, me mandando o DVD, na época, do Fedora 7.

Bom, tendo o DVD de instalação em mãos, nos resta agora apenas iniciar o processo e deixar o Fedora no HD, juntamente com o Windows. Esse será o assunto do próximo artigo.

Próximo artigo: Migrando para o Pinguim: Instalando o Fedora, os finalmentes!

Anúncios
  1. Certino
    02/12/2009 às 12:20

    Por que não escolheu o CD ao invés do DVD?

    Duvido muito que um leigo total usuário de Windows vá ler isso tudo, você tinha que fazer um resumo cara. Fica ai minha sugestão.

    • 02/12/2009 às 13:00

      Certino, eu cheguei a pensar no uso do LiveCD, principalmente por causa do tamanho, mas achei que seria uma melhor idéia o uso do DVD, até porque é possível comprar ele por um preço quase símbólico em lojas virtuais por aí. Essa série e baseada na minha própria experiência antes como um usuários Windows e depois como um usuário Linux. Devo dizer que ela não é para um leigo total no sentido de ser aquela pessoa que eu quero convencer a usar Linux, mas um leigo no sentido de ser aquela pessoa que quer usar o Linux e já está convencida disso. Dessa maneira, ela está procurando uma maneira de migrar. Isso facilita mais as coisas, visto que essa pessoa não irá considerar essa série como única fonte de informação e terá interesse em procurar em outros lugares, caso lhe surjam dúvidas e sempre surge. Ler sobre o mesmo assunto de diversas fontes é sempre a melhor opção para se apropriar do conhecimento e ser crítico sobre ele. Eu não fiz um resumo porque isso seria tirar muito informação que acho necessária de fora e, por consequência, não conseguiria atingir meu objetivo principal que seria algo mais completo sobre a migração. Além do que, não dá para falar sobre um dual boot em poucos posts…

      Mas ainda sim, cheguei a pensar em tratar as duas possibilidades. Abordar a instalação via LiveCD e via DVD. Mas são muito parecidas e achei que isso poderia acabar ficando repetitivo demais e de maneira desnecessária.
      Obrigado pela crítica meu caro, será considerada no caso de eu voltar sobre o assunto instalação em futuros posts ou algo assim 😀

  1. No trackbacks yet.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: