Início > fedora, Iniciantes, Linux, migração, Software Livre > Migrando para o Pinguim: Particionamento, Método I.

Migrando para o Pinguim: Particionamento, Método I.


Primeiro post da série Segundo post Terceiro post Quarto post Quinto Post

———————–

Dando continuidade a série Migrando para o Pinguim, iremos nesse post arranjar um espaço para o Fedora no seu HD a partir de uma nova instalação do Windows. Lembrando que o que queremos é que no final Windows e Linux no HD, em dual boot. Isto é, poderemos utilizar tanto um quanto o outro pois no momento em que você ligar seu PC, um gerenciador irá te dar essa opção.

Pois bem, esse post leva em conta que você,  além de querer migrar para o Pinguim, quer formatar seu PC e reinstalar o Windows porque este mesmo está está cheio de vírus, muito lento e blabláblá. O próximo artigo irá tratar de um outro método de particionamento. Ele irá redimensionar seu HD para que haja espaço para o Fedora, mas sem que haja necessidade de reinstalar o Windows. Você pode escolher entre essa maneira desse post (recomendado) ou a do próximo.

Eu não entrarei em detalhes sobre a configuração do Windows depois que terminar a instalação (instalar programas, os drivers para a placa de som, rede, video, etc), mas deixarei indicado e facilmente você conseguirá fazer isso.

Eu escolhi o Windows XP em vez do Vista porque o Vista quase ninguem gostou, é super pesado  e.. as pessoas realmente não gostaram dele. Preferem o XP.

Este artigo está um pouco grande, mas o procedimento é bem simples e intuitivo, na minha opinião.

[warning]
Antes de mais nada, salve TODOS os dados do seu PC que você não queira perder, visto que iremos apagar o Windows dele e reinstalar novamente. TODOS os dados serão perdidos e no final você terá uma instalação limpa do Windows XP, e já terá liberado o espaço necessário para o Fedora. Não se esqueça disso.
[/warning]

Na medida em que for falando da instalação, irei mostrar imagens da mesma. Você pode clicar neles para vê-las em tamanho ampliado e assim acompanhar melhor todo o processo.

Pois bem, tenha em mãos um CD do Windows XP  Professional e seu serial — original ou pirata, não irei entrar nesse mérito aqui —, além do CD com os drivers para o seu hardware (esse CD costuma vir com o seu computador quando você o compra. É o CD da placa mãe ou outros, como os da placa de video, se vier separado e tal. Dê uma olhada. ) . Coloque  o CD do XP na bandeja do seu PC e reinicie. Depois que a BIOS fizer o teste de costume, deverá aparecer uma mensagem do tipo Pressione uma tecla para iniciar do CD….” . Pois faça isso e a instalação do Windows deverá iniciar:

Instalação - Tela Inicial

Se isso não ocorrer, leia o  artigo anterior para configurar sua BIOS e certifique que a ordem de boot nela ficou primeiro o CD e segundo o HD. O terceiro não importa aqui.

Depois que os arquivos forem carregados, você será levado para a tela de boas vindas do programa de instalação:

Pois bem, queremos instalar não? Então tecle ENTER. 🙂 :

O contrato de licença. Tecle F8 para aceitá-lo e prosseguir. Não, você não tem escolha. Se discordar, nada de Windows. Como você já possui o XP no seu PC, será provavelmente levado a essa tela, onde o programa de instalação irá se oferecer para reparar um possível instalação danificada:

Se isso ocorrer e como queremos instalar uma nova cópia do Windows sem reparar,  teclamos ESC  para que isso seja feito, exatamente como sugerido na figura e então seremos levados ao ponto mais importante disso tudo: o particionamento do disco. Você verá algo parecido com isso:

Note que no meu caso, o programa de instalação mostra que tenho duas partições: C:, D: e um espaço não particionado. Pra você aparecerá provavelmente a partição C:. Mas se você reparar, o que queremos, no entanto, é um particionamento exatamente como acima:

  • Uma partição com espaço suficiente para instalar o Windows (C:).
  • Outra partição para arquivos que mais tarde serão compartilhados entre o Windows e o Fedora (D:).
  • O restante não será particionado, isto é,  ficará no espaço não particionado, como mostrado na figura acima — aqueles 8MB aparecem naturalmente, não fui eu que os criei. Não se preocupe com eles. É nesse espaço não particionado (de 25596MB, no meu caso) que o Fedora será instalado mais tarde. Ele automaticamente irá usar esse espaço e particionar ele com um layout padrão.

Mas vamos começar do zero. Use as setas para cima e para baixo para navegar entre as partições, caso tenha mais de uma  e então, com ela selecionada, tecle D para excluí-la. Se o programa de instalação te pedir alguma confirmação,  confirme. Note que todas essas opções são exibidas pelo próprio programa de instalação, de modo que você não precisa se preocupar em memorizar elas. Assim que você excluir todas as partições, deverá obter uma tela como essa:

Ou seja, tenho agora um disco sem qualquer partição  e com 51199MB livres (aproximadamente 50GB, que é o tamanho do HD que estou utilizando). Nesse momento, você deve tomar uma decisão: quanto de espaço você vai deixar para o Windows? Quanto para a partição de arquivos? E quanto será para o Fedora? No meu HD de 80GB que particionei uma vez, deixei assim: 20GB para o Windows, 30GB para a partição de arquivos compartilhados e os outros 30GB deixei para instalar o Fedora. No caso dos 50GB desse exemplo, ficou assim: 10GB para o Windows, 15GB para a partição de arquivos e 25GB para o Fedora. Lembrando que 1GB = 1024MB e não 1000MB. Isso ocorre porque a maioria dos arquivos pesados, eu costumo colocar na partição de arquivos, compartilhada. Assim, essa partição eu deixo como maior. A instalação completa do Fedora (que é improvável que você necessite) ocupa 9GB. O restante seria para outros programas que você instalasse depois ou para seus arquivos que  não necessitam ficar na partição compartilhada. Portanto, tome a sua decisão, eu irei usar o particionamento que usei para os 50GB, acima. Como o próprio programa de instalação indica, para criar uma partição no espaço não particionado, teclamos C. Então, selecionando o espaço não particionado, tecle C.  Você será levado para a tela abaixo, onde é questionado sobre o tamanho que quer usar:

Note que o programa de instalação sugere o tamanho máximo disponível e esse valor é em megabytes. Como quero apenas uma partição de 10GB eu apago esse valor e coloco 10*1024 = 10240MB (e você deve colocar o valor que achar conveniente para o seu caso):

Depois basta teclar ENTER que a partição será criada:

Pronto, Criamos uma! Não se preocupe se o programa de instalação mostra alguns megabytes a menos do que o que você disse que deveria; ele é mal educado mesmo! 😀 Agora seguimos a mesma lógica para criar a partição de arquivos. Iremos criar ela usando uma parte do espaço não particionado. Selecionamos então o espaço não particionado e teclamos C. Depois, entramos com o tamanho que queremos para a partição e teclamos ENTER para que ela seja criada. Nesse caso, deixei uma partição de 15GB, como havia dito:

Note que o Windows usou a letra E: em vez de D:, que seria a próxima letra. Isso pode acontecer ou não. Não se preocupe com a letra que ele escolher, está tudo certo. 🙂  Note também que surgiu um espaço não particionado de 8MB. Não se preocupe com ele também, como eu havia dito.

Você acabou de particionar o seu disco, olha que maravilha! Não há mais nada a fazer com relação a isso e esse era o ponto mais importante. O espaço não particionado agora tem tamanho suficiente para que o Fedora possa ser instalado. Quando formos fazer a instalação, iremos dizer ao instalador do Fedora para usar esse espaço (25596MB, no meu caso)

Podemos agora iniciar o processo propriamente dito de instalação do Windows. Iremos instalá-lo  na partição C:. Selecione essa partição e tecle ENTER para configurar o Windows nela, como sugerido pelo programa de instalação. Você será questionado sobre qual sistema de arquivos utilizar:

Escolha Formatar a partição utilizando o sistema de arquivos NTFS como na figura acima e tecle ENTER  e aguarde que a partição C: seja formatada. Mais tarde iremos formatar a outra, mas por enquanto se preocupe apenas com essa:

Depois da formatação, vários arquivos serão copiados para o HD, na pasta do Windows. Isso será necessário para dar continuidade a instalação. Você não precisa fazer nada enquanto isso ocorre:

Depois de copiar os arquivos, começa a configuração e logo após o sistema será reiniciado:

Pois bem, ainda não terminamos a instalação. Quando o computador for reiniciado, mantenha ainda o CD de instalação no drive. Mas quando aparecer novamente a tela “Pressione uma tecla qualquer para iniciar do CD…” não faça nada e deixe que a instalação continue. Será exibida a tela abaixo:

A instalação seguirá tranquila agora. Alguns dispositivos serão instalados e você não precisará fazer nada enquanto isso ocorre. O programa de instalação irá te fazer algumas perguntas de vez em quando. Irei falar sobre elas.

A primeira é como abaixo:

Como se pode perceber, as informações dadas estão corretas para o nosso caso. Localidade Brasil e layout do teclado ABNT.  Se estiver diferente do seu caso, apenas clique em Personalizar ou Detalhes para ajustar de acordo com suas preferências. Depois clique em Avançar:

Uma tela apenas para personalização. Digite seu nome e, caso queira, o da organização e clique em Avançar:

Lembra do serial que eu havia citado no início do artigo? Pois bem, você deve digitar ele aqui. Faça-o e clique em Avançar:

Nesta tela, a instalação te sugere um nome (bem feio) para o seu PC. Troque por um mais bonitinho. No meu caso, escolhi Júpiter como nome. Por padrão, o Windows cria um usuário chamado Administrador e ele tem privilégios para alterar configurações no sistema, instalar programas e tal. Outros usuários no Windows também podem ter esse privilégio e geralmente é isso que ocorre, fazendo que o sistema fique inseguro. No Linux costuma ser  diferente.  De qualquer maneira, o instalador te pede uma senha para o usuário Administrador. Insira ela, depois confirme e clique em Avançar:

Opa, as configurações de fuso horário! Ajuste a data, caso ela esteja incorreta e então insira seu fuso-horário de acordo com a sua região. No meu caso, que moro em São Paulo, meu fuso horário é GMT -03:00. Que dá o horário de Brasília.  Se quiser, o sistema também pode ajustar o relógio para  o horário de verão. Se for o caso, selecione essa opção e depois clique em Avançar. O sistema irá inicar a instalação da rede e depois mais algumas configurações:

Deixe como está, Configurações típicas e clique em Avançar:

Novamente, não faça nada nessa tela. Apenas deixe como está e clique em Avançar:

Pronto, nessa tela você já não precisa fazer mais nada. O programa se encarregará de terminar  a instalação e depois que terminar, o computador será reiniciado. Você poderá tirar o CD de instalação da bandeja  depois disso. No entanto, se você não tiver tirado, apenas não clique em nada quando aparecer aquela tela dizendo “Pressione qualquer tecla para iniciar do CD…”.

Bom, a instalação terminou, mas ainda faltam alguns poucos ajustes antes de você poder usar o PC. Na primeira vez que iniciar, o Windows tentará ajustar a melhor resolução de tela possível para o seu PC:

Clique em OK para aceitar e depois, se estiver tudo certo (e melhor) aceite as configurações dele:

A próxima tela será:

Clique em Avançar:

Se você quiser ativar as atualizações automáticas, pode fazer aí. Caso não queira, escolha Não Agora.  Fica a seu critério, já que essa escolha pode depender de alguns fatores… Depois clique em Avançar:

Nesta parte você irá configurar como seu PC irá se conectar a internet. Se ele se conecta através de um roteador, numa rede, etc, escolha a primeira opção. Mas se você se conecta diretamente, precisando configurar e tal, selecione a segunda opção. Você também pode deixar isso pra depois clicando em Ignorar:

E você, pronto para se registrar na microsoft? Escolha Não e clique em Avançar. Você pode fazer isso depois, se a sua cópia for original:

Nesta tela, o Windows te permite criar contas de usuário. É obrigatório que você crie pelo menos uma. No entanto, eu acho interessante que se crie várias contas, para cada pessoa que usa o PC, fazendo com que cada um tenha seu espaço personalizado. Mas fica a gosto do freguês. Crie pelo menos uma e clique em Avançar. Se você criou mais de uma, será levado para uma tela de login depois. Caso contrário, o sistema irá iniciar direto:

Opa, por nada. Clique em Concluir:

Pronto, Windows instalado! 😀

Mas restam apenas mais algumas configurações… prometo que são as últimas dessa vez!

Vá em Iniciar > Meu Computador e observe que temos duas partições lá:

Pois bem,  lembra que formatamos a unidade C: durante o processo de instalação? Agora vamos formatar a outra unidade, a partição de arquivos ou unidade E: no meu caso. Clique com o botão direito sobre ela e vá em Formatar

Coloque “Arquivos” como rótulo para o volume, apenas para sabermos que se trata de uma partição onde ficarão guardados arquivos que você queira compartilhar mais tarde com o Linux. Bastará apenas você copiar os arquivos para essa partição depois. Escolha NTFS como sistema de arquivos, como acima e clique em Iniciar, programa de formatação irá te informar que todos os dados da Unidade E: serão perdidos. Como você não tem nada lá, apenas aceite e deixe ele prosseguir.  Deixe o programa terminar a formatação e está concluída! 🙂 Note que a soma dos tamanhos das duas partições não dá o tamanho do HD. Lembre-se que existe um espaço não particionado nele e que mais tarde será usado pelo Fedora.

Bom, lembra também dos drivers que eu havia mencionado que você teria de ter o CD deles e tudo mais? Se você já colocou o ícone do Meu Computador na área de trabalho, clique com o botão direito nele, vá em Propriedades, depois na aba Hardware você clica no botão Gerenciador de Dispositivos:

Note que alguns dispositivos estão com uma interrogação. Clique com o botão direito sobre eles e então peça para que o sistema procure por eles. Ele irá procurar no CD que vem com os driverts, como eu havia dito. Deixe ele na bandeja. 🙂

Pronto, era apenas isso. No próximo artigo irei tratar de uma outra maneira de obter espaço para o Fedora. Se você fez essa, não precisa da outra.

Próximo post: Migrando para o Pinguim: Particionamento, Método II

Anúncios
  1. Nenhum comentário ainda.
  1. No trackbacks yet.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: